Governo extende redução de IPI por mais três meses, mas as montadoras não poderão demitir

Mercado

Governo extende redução de IPI por mais três meses, mas as montadoras não poderão demitir

veiculo-ipi_thumb[1] O governo federal anunciou ainda a pouco, a prorrogação em mais três meses, da redução da cobrança do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a compra de automóveis novos. O anúncio foi feito pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, em São Paulo. E informou que o corte inclui agora um acordo para a manutenção do emprego no setor. A redução faz parte do plano de estímulo à economia do país, para reduzir os efeitos da crise. Ao fechamento das vendas dos três primeiros meses desse ano, espera-se que tenhamos vendido 0,3% veiculos a mais, em relação ao mesmo período do ano passado. Além da redução do IPI para carros, Mantega também anunciou a redução do Contribuição para o Cofins (Financiamento da Seguridade Social) que incide sobre motocicletas, que antes eram de 3% agora será nula. 13_MVG_IPI_Menor O IPI para automóveis de passeio 1.0 está zerado, tanto para modelos a gasolina quanto a álcool ou flex. De 1.0 a 2.0 o IPI é de 6,5 por cento para carros a gasolina e de 5,5 por cento para carros a álcool ou flex. O IPI para automóveis acima de 2.0 é de 25 por cento para modelos a gasolina e de 18 por cento para modelos a álcool e flex. Para caminhões, o IPI continua zerado para caminhões, é de 1 por cento para caminhonetes+. A redução do IPI para os veículos foi anunciada pela primeira vez em meados de dezembro, depois que a indústria sofreu drástica queda na demanda provocada pelo congelamento do crédito aos consumidores. Naquela ocasião, o IPI foi zerado para carros populares e reduzido em 50 por cento sobre automóveis com motor até 2.0. Houve também redução para picapes.  As medidas foram assinadas pelo presidente em exercício José Alencar, e serão publicadas no Diário Oficial da União na terça-feira, entrando em vigor ja na quarta-feira (1º de abril). E se extenderá até o dia 30 de junho.