Teste | Volkswagen Golf VII 1.6 TDI #Parte 1

Testes / Volkswagen

Teste | Volkswagen Golf VII 1.6 TDI #Parte 1

Hatch continua sendo referência em seu segmento nesta sétima geração

uS0Yh04
Golf (ou golfe, em português), é um esporte de origem escocesa que consiste em arremessar, com ajuda de um taco, uma pequena bola que deve parar dentro de um buraco. É também o nome de uma corrente de ar marítima, potente, rápida e quente, que sopra do oceano atlântico para o continente europeu (Golf Strom, ou Corrente do Golfo). No meio automotivo, no entanto, Golf é sinônimo de excelência. Desde que foi lançado pela Volkswagen na Europa, em 1974, o modelo ganhou o mundo, foi aprimorado e com o passar do tempo ganhou novas roupagens e modelos derivados. Hoje ele se apresenta na recém lançada sétima geração, após mais de 29 milhões de unidades vendidas. Com estes números, é o segundo carro mais vendido de todos os tempos. E, pelo visto, é merecedor de tal posição. Teste  Volkswagen Golf VII 1.6 TDI Bluemotion (16) A concorrência está se aprimorando no mundo inteiro, dificultando a vida do hatch médio. Ford Focus, Peugeot 308, Opel/Vauxhall Astra, Toyota Auris e Honda Civic são seus concorrentes no Velho Continente e exemplos de como a qualidade de construção e reputação caminham a passos largos e buscam, de todas as maneiras, alcançar o patamar e a aura do hatch germânico. O mais novo movimento da Volkswagen na luta por porcentagem do mercado foi o lançamento da sétima geração do Golf, em setembro de 2012 no Salão de Paris. Denominado internamente de Typ 5G, o veículo tem como base a inovadora plataforma modular MQB, que será dominante nos próximos anos dentro do grupo Volkswagen. Além de permitir a sua utilização para modelos de diversos portes, graças ao seu projeto modular, essa plataforma contribui para que o modelo novo seja cerca de 100 kg mais leve que seu antecessor. De quebra, ainda implica num custo de produção menor para o fabricante.
Teste  Volkswagen Golf VII 1.6 TDI Bluemotion (21)
Durante a viagem para a cobertura do Salão de Genebra tivemos a oportunidade de dirigir esta novidade. O modelo que nos foi entregue era equipado com motor 1.6 TDI que gera 105 cavalos de potência e respeitáveis 250 Nm de torque máximo e câmbio manual, além do pacote Bluemotion, que visa a economia de combustível. A unidade era equipada com diversos equipamentos de segurança e conveniência, como sete air-bags e Park Assist.

Como ele é:

Com concepção visual moderna, linhas limpas e sem rebuscamento, é um primor de elegância dentro de sua categoria. Elementos clássicos do modelo, como a larga coluna “C” e a grade de frisos horizontais, se fazem presentes. As rodas, de 16 x 6,5 polegadas calçadas com pneus 205/55 casam bem com o visual do carro, que por sua vez tem 4,39 metros de comprimento total, 2,637 de entre-eixos, 1,799 metros de largura e 1,452 de altura. O espaço interno é condizente com as dimensões exteriores e representam uma sensível evolução frente a seus antecessores. Com menos botões e comando e com uma interessante e útil central de mídia no centro do painel, o veículo também possui um mostrador digital entre o velocímetro e o conta-giros, de grande valia. Neste, podem ser exibidos todos dos dados da central multimídia, como computador de bordo, mídias, assistente de estacionamento, setup do veículo, dentre outros.
Teste  Volkswagen Golf VII 1.6 TDI Bluemotion (23)
Comparado com seus concorrentes, a qualidade dos materiais empregados e a sua construção são, seguramente, as melhores do segmento. O esmero na construção, como borrachas de tamanho superlativo e de boa vedação, isolamento térmico e acústico extremamente empregado no cofre do motor, utilização de alumínio e tecidos de boa qualidade no interior fazem do Golf um exemplo a ser copiado. O encaixe das peças, a diferença nas texturas, a costura do couro no volante, o revestimento do porta luvas, assim como pequenos itens emborrachados ou revestidos justificam seu preço relativamente mais alto que a concorrência e fazem a vida a bordo mais prática e prazerosa. Com comandos do som, computador de bordo e piloto automático do volante, o Golf também contava com vidros elétricos com one-touch nas quatro portas, sensores de estacionamento na dianteira e traseira com interface gráfica, som com diversas entradas auxiliares e boa qualidade sonora, faróis adaptativos nas curvas e de acendimento automático, função Start-Stop com Auto Hold automático e setup programável das mais diversas funções na central multimídia. Quer saber mais detalhes sobre o Golf 7, e saber como ele se comporta na estrada!? Então nos acompanhe na segunda parte da nossa avaliação! Veja também: