Expedição Etios – Resumindo uma aventura

Eventos / Toyota

Expedição Etios – Resumindo uma aventura

Quatro japoneses, três mil quilômetros e inúmeras histórias e recordações para o futuro

DSCN0932
Dia 24 de maio encerrou-se oficialmente a Expedição Etios. Depois de tanto chão percorrido, era inegável que todos estávamos com saudade de casa. Mas também é verdade que já existia toda uma nostalgia pelos momentos bons vividos naqueles dez dias, bem como uma outra saudade que já começava a ser criada, esta das companhias e das amizades feitas. BR101 Guarapari até entrada de Vila Velha (5)
Os números foram repetidos à exaustão por nós blogueiros, pela própria Toyota e por sabe-se-lá quem mais. Três mil quilômetros, oito cidades, seis estados, oito paradas em hotéis, e tantos outros números menos relevantes de repente se tornaram um tanto relativos para a gente. Na verdade ficou mais a sensação do dever cumprido e a alegria de ter feito parte de uma coisa tão única como foi a Expedição Etios. Voltando no tempo, me recordo de como toda a história começou, e de como eu pensei que seria uma loucura dirigir por uma distância tão grande dentro desse país de dimensões continentais que a gente tem. Hoje, dois dias depois que tudo terminou, vejo que foi uma loucura bem válida. Foi não só a maior e melhor aventura da minha vida. Foi toda uma jornada que foi além de tantos quilômetros. Valeu por todo o conhecimento adquirido, pelas amizades feitas, pelas mudanças de pontos de vista, pelas gargalhadas, sustos, e até pelos perrengues e discussões (peraí, houve perrengues e discussões?!).
DSCN0582DSCN0593
Mas e o que falar dos Etios? Os dois hatches e os dois sedãs fizeram jus à fama de durabilidade que a Toyota tanto se vangloria de ter nos Corolla. Passamos por todo tipo de piso, de asfalto a terra batida, passando por areia, lama e brita, e a suspensão seguiu sem nenhum grilo, assim como a direção não apresentou folga, e tudo se manteve em perfeita harmonia dentro da cabine. Nenhum rangido, nenhuma folga, nenhuma peça solta. Mesmo sob condições um tanto severas de uso.
DSCN0598
O motor e o câmbio mereceram elogios à parte. Ultrapassagens no limite da aceleração e/ou da aderência, longos percursos em altas velocidades (uma vez cheguei a passar dos 150 km/h), ou até mesmo engarrafamentos que pareciam intermináveis puseram os motores 1.5 e os câmbios manuais de cinco marchas à toda prova. E todos eles se saíram muito bem. Em toda a viagem, só precisamos abastecer o carro e mais nada. O mesmo eu já não posso dizer das nossas estradas. Se, por um lado, a BR-101 (estrada que mais percorremos) estava com o asfalto muito bom, por outro a sinalização era extremamente precária, faltando às vezes até mesmo as faixas de sinalização na pista… Isso para não dizer de placas ou pontos luminosos que ajudassem os motoristas.
DSCN0925
Pior ainda é a falta de cuidado e bom-senso dos motoristas. Por vezes nos vimos em algum risco por causa de motoristas imprudentes, que faziam ultrapassagens arriscadas ou mal-calculadas. Talvez o ápice disso tenha sido quando vimos um acidente fatal, logo nos primeiros dias de Expedição. Mas, ainda assim, tudo que vivi nessa viagem foi extremamente válido. E digo mais: se pudesse, faria toda essa expedição novamente. Aliás, quando será a próxima mesmo? Partes 1 e 2 | Parte 3 | Parte 4 | Parte 5 | Partes 6 e 7 | Parte 8 | Parte 9 | Parte 10