Os urbanos que querem ser off-road e os off-road que querem ser urbanos

Brasil / Mercado

Os urbanos que querem ser off-road e os off-road que querem ser urbanos

Quando o mercado começa a confundir o papel de cada carro

page
Carros aventureiros são, basicamente, versões de peruas, hatches, picapes e até mesmo minivans com visual diferenciado. Eles querem provar que suspensão elevada, pneus de uso misto, plásticos, estribos, racks e, muitas vezes, o famoso estepe pendurado na tampa do porta-malas os faz capazes de encarar estradas de terra repletas de crateras. Se eles encaram seu carro “civil” também, a diferença é apenas que o risco de raspar o carro é menor. Pense rápido: qual carro que nasceu para encarar trilhas conta com tantos adereços? autowp.ru_land_rover_freelander_5-door_40
Dos que me lembrei rapidamente, a primeira geração do Land Rover Freelander tinha plásticos nos para-lamas, o primeiro Toyota RAV4 ainda tinham para-choques sem pintura, e jipes como o Suzuki Vitara e o Pajero tinham o estepe pendurado na traseira, mas devido a falta de espaço interno. No entanto, eles não venderam/vendem tanto por aqui para servir de exemplo.

Questão de status?

99

Depende de alguns fatores. Os marqueteiros da Fiat enxergaram que poderiam aproximar o consumidor comum do tão restrito àquela altura segmento de utilitários esportivos, inaugurando por aqui a tendência de carros aventureiros em 1999, com o Palio Adventure. Mais tarde a versão terminou virando uma linha, tendo como adeptos o Idea, a Strada e o Doblò. Hoje ainda há os Uno Way e Strada e Weekend Trekking. A Fiat já esteve tão empolgada com isso que chegou a criar snorkel para a linha Adventure há alguns anos. Isso é coisa útil em Troller… Ford Maio 2005

Ecospor Flex Lanзamento
Concorrentes logo viram a força desse nicho. A Ford reviu seus conceitos e atacou de EcoSport em 2003. Além de ser derivado de um compacto – seu projeto serviu de base para o Fiesta – nasceu como um SUV compacto e salvou a Ford do Brasil. Fez tanto sucesso que sua segunda geração, lançada no ano passado, é global. Ele inaugurou uma tendência global, seguida pela General Motors, com Opel Mokka/Chevrolet Traxx/Buick Encore, e pela Peugeot com o 2008.
peugeot_2008_9

A Volkswagen também seguiu a Fiat. Em 2006 lançou o CrossFox, o hatch altinho com adereços plásticos que tornou a tendência popular. Tanto que o “Cross” se espalhou pela marca tendo hoje adeptos como SpaceCross, Saveiro Cross e o Gol Rallye, que renascerá na próxima semana trazendo consigo o inédito Gol Track, um Rallye mais “light”. O ponto culminante, talvez possa ser o Citroën Aircross, desenvolvido para o Brasil e lançado por aqui primeiro que sua versão civil, o C3 Picasso. Os “gringos” perceberam que essa tendência tem apelo por aqui. Um outro bom exemplo é que o HB20X, foi o segundo derivado do HB20 lançado por aqui, e não demorou. Agora até o Fit tem uma versão “plastificada”, a Twist, que por sinal está tendo boas vendas.
hyundai_hb20x_13
Muitos optam por estas versões por gostarem de dirigir na posição mais alta que a suspensão elevada proporciona. Mas há realmente necessidade de tanta parafernália? Não! O desempenho chega a ser afetado pelo centro de gravidade mais alto, pelo peso extra dos plásticos e de seu impacto na aerodinâmica, que junto aos pneus de uso misto, que duram menos  e geram mais ruídos, aumentam perceptivelmente o consumo. O pior ainda é estepe pendurado na tampa do porta-malas. Ele sobreviveu nesta nova geração do EcoSport, mas foi com muito custo a Citroën do Brasil conseguiu convencer os franceses para coloca-lo na traseira do Aircross. Além de complicar o acesso à bagagem, deixa o pneu mais suscetível a furtos. Pelo menos os estribos frontais, que eram empregados nos primeiros Palio Adventure, Fiesta Trail (R.I.P) e CrossFox, que colocam em risco a segurança dos pedestres, já não são mais vistos.

No outro extremo

autowp.ru_toyota_rav4_5-door_1toyota_rav4_au-spec_3

Hoje os utilitários esportivos e crossovers estão mais acessíveis. E o mais curioso é que eles perderam o aspecto bruto que os aventureiros tentam ostentar. Estão cada vez mais urbanos, mais fáceis de dirigir e com desempenho e conforto mais próximo, senão igual, ao dos hatches e sedãs médios e grandes, mantendo a grande sacada dos carros citados aqui: a posição de dirigir elevada. O atual Kia Sportage, por exemplo, em nada lembra o carro bruto que foi nos anos 90, com um fraco motor turbodiesel. Atualmente, neste segmento apenas os japoneses Suzuki Vitara e Mitsubishi Pajero Full mantiveram o estepe pendurado. O novo Toyota RAV4, que será lançado na próxima semana já o aboliu, assim como fez o Honda CR-V em sua geração anterior, datada de 2007. E a tendência é mesmo essa, pois, em outros mercados já é considerado algo manjado e afeta negativamente a segurança.
autowp.ru_honda_cr-v_au-spec_8
Os motores diesel desapareceram do segmento, ficando restritos às picapes grandes e seus derivados. Tração 4×4 com reduzida são raridade. O mais comum hoje é tração integral, que pode não ser tão eficiente no fora de estrada, mas é bem vindo no asfalto para melhorar a estabilidade. Até com o consumo de combustível se importam! Será que ainda demora muito para os pequenos reverem seus conceitos?