O que você deve saber sobre os airbags, agora obrigatórios em todos os carros novos

Segurança

O que você deve saber sobre os airbags, agora obrigatórios em todos os carros novos

O que faz o airbag estourar? E depois que ele estoura? Confira…

Governo-deve-adiar-obrigatoriedade-de-airbags-e-ABS-para-2016
As principais resoluções de ano novo para a indústria automotiva são as resoluções 311 e 312 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que determinam que a partir deste ano todos os automóveis e comerciais leves, produzidos no Brasil ou importados, contem com freios ABS e dois airbags frontais entre os equipamentos. Mas você sabe como o os airbags funcionam e quais os cuidados que você deve ter com eles? O airbag não é novidade para a indústria automotiva. O primeiro carro equipado com bolsa de ar foi o Mercedes Classe S, em 1980, e o primeiro carro nacional equipado com o sistema foi, por questão de dias, o Fiat Tipo 1.6 mpi. O Vectra 1996, lançado logo em seguida, também contava com airbag, e ainda com cinto de segurança pré-tensionado, que elimina a folga entre o cinto e o corpo, então inédito nos carros nacionais.

Como funciona:

20091221550261

Equipamento de segurança passiva – ou seja, tem a função de minimizar as conseqüências dos acidentes – os airbags são nada mais que bolsas feitas de um tecido fino de náilon, dobradas e instaladas em locais estratégicos, como volante, painel, assentos e colunas. Estas bolsas deflagram com o sinal de uma unidade de diagnóstico, que age em função dos sensores de batida. Estes, por sua vez, medem a desaceleração do veículo e detectam a colisão. As bolsas inflam quase que instantâneamente após uma ignição eletrônica, que aquece a azida de sódio (NaN3) a mais de 300 °C , promovendo a reação com o nitrato de potássio (KNO3), que resulta em gás nitrogênio, e este ainda quente infla as bolsas. Ao mesmo tempo que enchem, as bolsas também esvaziam numa tentativa de amortecer o corpo que vem de encontro ao airbag. Vale ressaltar que o pó branco liberado pelos airbags é apenas talco ou amido de milho, usados para manter a eficiencia das bolsas.

O que você precisa saber sobre os airbags:

Essa possibilidade de “algo” estourar na sua frente numa colisão ainda é fonte de uma série de dúvidas por parte dos motoristas. Para tentar solucionar algumas delas consultamos Ricardo Dilser, assessor técnico da Fiat. Acompanhe as perguntas e respostas: Novidades Automotivas – O que pode acontecer se o airbag detonar e os ocupantes estiverem sem cinto de segurança? Ele é fundamental para a atuação correta do sistema? Ricardo Dilser – As bolsas de ar infláveis são itens complementares de segurança passiva e sua correta proteção aos ocupantes depende do uso do cinto de segurança. Ou seja, o cinto de segurança é indispensável para a total eficácia dos air bags. NA – A partir de qual velocidade os airbags frontais inflam? RD – A deflagração do air bag não depende da velocidade, mas sim da desaceleração do veículo e do ângulo de impacto. NA – Existe risco do airbag detonar com um soco ou qualquer outro impacto no volante? RD – Não existe risco nesse sentido. NA – A detonação dos airbags frontais, laterais e de joelho estão restritos a colisões frontais, ou eles também podem ser inflados no caso de um capotamento junto com os de cortina? RD – A deflagração do air bag está ligada à desaceleração do carro e ao ângulo de impacto. Portanto, somente os air bags projetados para aquela dinâmica de crash serão acionados (crash dianteiro, por exemplo, não deflagra air bag de cortina).  NA – Os pré-tensionadores dos cintos de segurança sempre atuam junto com os airbags? RD – O conjunto pré-tensionador do cinto usa os mesmos sensores do air bag e sua atuação depende, sim, do disparo do air bag. Vale lembrar que, em caso de acidente onde o conjunto de air bag venha a ser usado, todo o conjunto deve ser substituído, inclusive os cintos e os pré-tensionadores. NA – A desaceleração do veículo numa colisão é o que define se os airbags serão acionados ou não. Desta forma, existe a possibilidade de o airbag não acionar mesmo que o carro tenha sofrido grandes deformações, pela desaceleração não ter sido tão grande? RD – A desaceleração é a definição para o acionamento dos air bags. Não podemos confundir aqui deformações visuais com o acionamento do air bag. Em alguns casos, visualmente a deformação possa parecer grande, mas a estrutura do carro não foi afetada, ou seja, a desaceleração não foi suficiente para acionar o dispositivo de bolsa de ar. O air bag é projetado para diminuir e/ou evitar lesões aos ocupantes, portanto, não se pode fazer comparações de deformações de lataria com sua funcionalidade. NA – A legislação de trânsito define que a idade mínima para andar no banco da frente é 10 anos, mas as fabricantes costumam recomendar que apenas crianças com mais de 12 anos sentem-se no banco do passageiro. Numa Strada, por exemplo, o ideal seria desativar o airbag do passageiro? RD – O dispositivo de desligamento do air bag do passageiro deve ser feito com muito critério. Essas recomendações estão explicitamente atendidas no Manual de Uso e Manutenção do Veículo. NA – Se um carro se envolveu em um acidente que resultou na detonação dos airbags, tudo o circuito e dispositivos dos airbags devem ser substituídos? RD – Sim. E essa substituição deve se estender também aos cintos de segurança e aos conjuntos pré-tensionadores. NA – Como uma pessoa deve reagir após se envolver numa colisão que resultou na deflagração do airbag? Ela pode sofrer lesões por causa da detonação? RD – O dispositivo de bolsa de ar é amplamente usado, validado e reconhecido pelo aumento da proteção aos ocupantes. Mas, vale a pena ressaltar, a importância do uso do cinto de segurança para garantir o nível de proteção proporcionado pelos air bags.