Fiat pode fazer acordo com a Mitsubishi para ter mais uma picape

Fiat / Mitsubishi / Segredos

Fiat pode fazer acordo com a Mitsubishi para ter mais uma picape

Próxima geração da L200 seria a base do acordo, diz site

MitsubishiL200Triton2014e
Há anos a Fiat busca uma forma rentável de oferecer uma picape média em sua gama de veículos comerciais. Ela já cogitou utilizar a indiana Tata Xenon como base e, ao assumir a Chrysler, estudou aproveitar a Dodge Dakota, mas logo encerrou sua produção. Agora, segundo o Automotive News, a Fiat estaria firmando parceria com a Mitsubishi para ter uma picape média baseada na L200. O lançamento é apontado para 2016, o que leva a crer que já seria a nova geração da L200, já que o modelo atual já está completando oito anos de mercado. A picape seria destinada ao mercado europeu e também para a América Latina, aponta o site. A questão é que a informação contraria tudo que se sabe sobre a picape média que a Fiat está desenvolvendo no Brasil, que tem a particularidade de seu chassi ser do tipo monobloco, algo que só a Honda Ridgeline possui entre as picapes médias. Ela ainda dará origem a um SUV compacto, algo que não seria possível utilizando a L200, visto que o Pajero Dakar está longe de ser compacto. Isso nos leva a crer que a picape baseada na próxima L200 seria uma terceira opção, maior e mais cara. A Strada seria a mais barata. Hoje a L200 é fabricada na Tailândia. Exportar para a Europa não seria um grande problema, mas para o Brasil sim. A picape chega desmontada em kits CKD e é montada pela Souza Ramos, em Catalão (GO). Pelo fato da Souza Ramos ser importadora, seria muito difícil ela se submeter a um acordo entre a Fiat e a Mitsubishi. A saída seria a própria Fiat montar os kits CKD importados por aqui. E se, na verdade, a Fiat fornecer sua picape média monobloco para a Mitsubishi? Quem está em dificuldade financeira e carece de produtos modernos é a fabricante japonesa. Outra questão é que a picape média que estão desenvolvendo no Brasil, por ser menor e mais leve, poderia ser mais interessante para o mercado europeu, onde a Fiat vende a Strada brasileira com algum êxito.