Peugeot Exalt é requentado para o Salão de Paris

Peugeot / Salão de Paris

Peugeot Exalt é requentado para o Salão de Paris

Na longa viagem de Pequim a Paris, apenas repintaram a traseira

peugeot-exalt-concept-headed-for-paris-debut-with-new-look-photo-gallery_3
Apresentado no Salão de Pequim em meados de abril, o Peugeot Exalt passou no microondas para aquecer mais um pouco e ficou pronto para aparecer no Salão de Paris no mês que vem. As mudanças no sedã esportivo são discretas e não há nada novo que o aproxime das linhas de produção. 5
Frente a versão chinesa, o Exalt “francês” apenas mescla de cores menos chamativas na carroceria, com a traseira cinza e não vermelha como visto anteriormente. De resto, mantém o design e as soluções de construção com materiais sustentáveis, destacados pela Peugeot. A plataforma é a mesma EMP2 encontrada no atual 308 (o europeu, não o nosso), e o conjunto motriz é o Hybrid4 da Peugeot, com o 1.6THP do RCZ R, de 270 cv, aliado a um motor elétrico de cerca de 70 cv.
Peugeot-Exalt-Concept-4
A ideia da Peugeot ao fazer o Exalt foi de criar um conceito diferente dos carros conceito atuais, seguindo de certa forma o que o Onyx já havia feito em 2012. A começar, boa parte da carroceria não tem pintura. E, na parte traseira, a pintura aplicada é a chamada de “pele de tubarão”. De acordo com a marca, essa pintura ajuda a reduzir o consumo, uma vez que é mais aerodinâmica que a pintura convencional. Apesar do comprimento normal para um sedã (4,70 m), ele é bem mais baixo que um, com 1,31m. Cerca de 10 cm mais baixo que um Corolla, por exemplo. PEUGEOT_EXALT_1408PC007_resize
Mas abrindo a porta e olhando o interior, percebe-se que ele tem mais de conceito que possa parecer, ainda que de uma forma diferente dos carros-conceito atuais. O Exalt apela para um luxo sem igual no interior, com uma profusão de madeira e couro tratado de dar inveja às marcas mais caras do mundo. A superfície da madeira, por sinal, traz desenhos de leões em baixo relevo, e várias telas retráteis multifunção se escondem dentro do painel. Já os comandos disponíveis ao motorista ficam em teclas, como se fizessem parte de um piano.