Lançamentos / Mercado

Carros brasileiros nunca foram tão desejados pelos ‘gringos’

Sandero R.S. e Troller T4 estão entre os queridos fora do Brasil

PLEASE COME TO USA AND EUROPA

Você que cresceu admirando carros vendidos lá fora e que nunca apareceram no Brasil pode não acreditar, mas hoje os ‘gringos’ desejam carros brasileiros. São criações nossas e que só existem aqui, como o Renault Sandero R.S., a Fiat Toro e até o Troller T4. Todos eles repercutiram na Europa e nos Estados Unidos, e há até quem defenda a exportação deles…

Renault Sandero R.S.

2093_sandero-rs-14

Europeus viam o Sandero como um reles Dacia com motor 0.9, até o dia que a Renaultsport fez sua mágica: colocou um motor 2.0 com câmbio manual de seis marchas e reprojetou suspensão e freios. E o preço baixo para eles, por conta da variação cambial, também ajuda.

“Um hatch Renaultsport, com câmbio manual, por menos de 10000 libras? Perfeito! Por favor, tragam isso para Europa. Será mais popular do que o Clio RS atual e sucessor espiritual dos Citroën Saxo VTS/ 106 GTi” joelynn, usuário do Wordcarfans

“Se trouxessem para a Europa por 16000 euros, venderia como pão quente” tzenu_bmw, usuário do site romeno AutoMarket

2093_sandero-rs-9

Mas o Sandero R.S. não chega ser tão exclusivo: ele também será fabricado e vendido na Rússia.

Uma informação aleatória: o Dacia Sandero tem um modelo de calotas chamado “Aracaju”.

Troller T4

troller_t4_10

A segunda geração do jipão de fibra fabricado no Ceará nem havia sido lançada, mas estadunidenses já viam nele “algo” do Ford Bronco. Não apenas pelo fato da Troller pertencer à Ford, mas pelo T4 transmitir aquela brutalidade toda que o velho SUV de duas portas da Ford tinha. Mas também há europeus entre os fãs estrangeiros do Troller.

“Essa coisa é incrível. Basta reforçar a estrutura um pouco para testes de colisão, adicionar mais alguns airbags e instalar um motor Ford de quatro cilindros aprovado nas normas de emissões. Mesmo que só roube um quarto das vendas do Jeep Wrangler, ainda será 50.000 carros por ano” mombojumbo no Autoblog

Mal sabe ele que o T4 não tem airbag nenhum…

troller_t4_9

“Eles apenas precisam torná-lo um concorrente direto do Jeep Wrangler. Vender com 2 portas no início e, em seguida, fazer uma versão mais cara com 4 portas. Com o nome Bronco e sendo bom na estrada e no off-road, eu acho que se sairia bem” HeyItWRX no Truck Yeah

“Por favor, Ford, traga ele para o Reino Unido. Precisamos de um rival para Suzuki Jimny/ Land Rover Defender/ Jeep Wrangler/ Mercedes ClassE g… e, além do mais, é muito provável que seja bem sucedido também” aliXFR no Carscoops

O Jalopnik americano chegou a fazer uma matéria recentemente sobre o T4, após um executivo de comunicação da Ford americana ter compartilhado fotos da Copa Troller no Twitter. Mas, a princípio, isso não insinua nenhuma intenção da Ford em vender o Troller nos Estados Unidos.

Esse vídeo também ajudou o T4 a construir sua fama lá fora.

Renault Duster Oroch

renault_duster_oroch_21

Lançada no Brasil este mês, a Duster Oroch chamou atenção ao transformar o Duster em uma picape cabine dupla. Na Europa o Duster representa o SUV confiável mais barato que se pode comprar e teria seu público por unir essas características a uma caçamba. No ano passado a petroleira da Romênia, OMV, mandou converter 500 Duster em picapes para uso das equipes de monitoramento de poços. No lançamento, a Renault do Brasil garantiu que, ao menos por enquanto, a Oroch será vendida apenas na América do Sul, mas poderia exportar para outros mercados futuramente.

renault_duster_oroch_16

“RENAULT! Faça um favor a si mesma, coloque o logotipo da Dacia nela e traga para a Europa!” Simon Charreyre no Carscoops

“Se vender a versão picape na Turquia sob o logotipo da Dacia, vai escapar dos impostos ridiculamente altos dos carros de passeio, que beira os 35%. A propósito, o Dacia Duster é líder em vendas entre os SUVs na Turquia desde o seu lançamento” Mehmet Ali Özgündüz no Carscoops

“Será um verdadeiro sucesso. É estranho que seja o último segmento que faltava. Há picapes bem grandes como a F-150, grandes como a Ranger e a Oroch completa. E há picapes menores no mercado brasileiro, como a Fiat Strada” S no AutoMarket 

Fiat Toro

Autodesk VRED Design 2015 SP4

Pois é, a Fiat Toro sequer foi lançada aqui no Brasil e já forma uma legião de fãs em outras freguesias. Em post publicado ontem pelo Truck Yeah – no qual até somos fonte (que honra!) – já existe até mesmo uma projeção da Toro com grade da Dodge. O fato de ser monobloco não surpreende os norte-americanos, que tem a Honda Ridgeline (que foi estudada pela engenharia da Fiat para o desenvolvimento da Toro), mas as dimensões sim. Em um país onde picapes enormes sempre figuram entre os veículos mais vendidos, seria uma opção para quem não precisa de algo tão grande. Até preveem futura concorrência com a futura Hyundai Santa Cruz.

Alguns fatores poderiam levar a crer na possibilidade de exportação para os Estados Unidos, como a parte dianteira da plataforma compartilhada com o Renegade (o que permitiria o uso de motores maiores a gasolina) e a proximidade entre a fábrica da Fiat em Goiana, Pernambuco, e os EUA. Não é impossível, mas é improvável que ela seja vendida por lá como Fiat: a Strada, por exemplo, chega no México como RAM 750.

1484427738787164742

“Por favor, por favor, por favor, traga-o para os EUA, fica do lado direito do México!” Chris Bush no Autoblog

“Eles poderiam facilmente transformar ela em Jeep e vender nos EUA. Mas não tenho certeza se haveria um mercado para ela” tuga no Worldcarfans

“Sim, é uma boa picape pequena, mas as fabricantes não parecem se preocupar com esse mercado inexplorado das picapes pequenas. Eles estão ocupados demais tentando vender suas picapes maiores” tpl no Autoblog

“Não seria isso um Cherokee com uma caçamba?” KaptnKauto no Autoblog

Parece, mas não é.

“Filho da união entre a Ford EcoSport e Jeep Cherokee” Pontiac G8 GXP no Worldcarfans

Quase lá!

“Estou feliz em ver a Fiat fazendo algo novo e muito interessante, mas parece uma mistura entre um Citroën C4 Picasso e um Ford Ecosport…” fabri99 no Carscoops

E a árvore genealógica aumenta…

Uma barreira para a exportação da Toro para os Estados Unidos pode ser o chamado “chicken tax”, imposto de 25% criado nos anos 60 como retaliação a impostos criados por países europeus para barrar o frango importado dos Estados Unidos. Este imposto também incide sobre picapes importadas e vendidas nos EUA. Mas a Subaru conseguiu contornar isso nos anos 70 instalando um assento de plástico na caçamba da picape Brat, o que a transformava, teoricamente, em um carro de passeio. Neste caso o imposto seria de 2,5%.

Mas não haveria barreira para a Toro na Europa, onde até a Strada Adventure é vendida – e custa caro, mais de 20 mil euros.

Desejos do passado

autowp.ru_volkswagen_sp2_8

Por causa da quantidade de modelos com mecânica derivada do Fusca, o Brasil também se tornou referência mundial para estes carros. Hoje um mercado de exportação de Kombi, SP2 e até mesmo de Karmann-Ghia TC para o mundo todo. Há, inclusive, quem acredite que no futuro estes carros se tornarão raros por aqui.

Mas não espere que todos os Volkswagen brasileiros vendidos lá fora sejam tão apreciados: os iraquianos até gostam do Passat, mas os europeus não gostavam tanto do Fox e os norte-americanos achavam o Voyage e a Parati (vendidos por lá como Fox) muito espartanos.

2003_Fiat_Palio_Weekend_1.9_JTD_HL_rear

Se hoje a Fiat vende a Strada Adventure em alguns países da Europa, no passado também levava para o Velho Continente Fiorino, Uno, Elba e até mesmo o Palio Weekend. Mesmo velhos para os padrões de lá, não é difícil encontrar alguns na Itália e em Portugal.

  • Henrique, belo texto! Só um pequeno detalhe: os Fox (Parati e Voyage para exportação) eram espartanos mesmo! Porém elogiam o desempenho e a qualidade construtiva daquele pequeno VW “Made In Brazil”. Tem uma matéria na Esquire Magazine onde o autor fala muito bem sobre um Fox GL 1990 que ele teve.

  • Raimundo M.

    O Toro foi flagrado em vários países e diria que não estaria testando E-torQ Flex daqui, mas outras configurações mecânica tipo as T-Jet Multiair, Multijet 1.6 e 2.0 (140cv), e quem sabe, Tigershark. Se o produto foi exposto a outros países de outros continentes, seria um desperdício não ofertá-lo nos mesmos, logo acredito que será, sim, vendido fora da América Latina.
    Fui a terra do Troller e vários da nova geração. Alguns tinham acessórios e transmitem uma imponência ímpar. Desde que iniciou-se o desenvolvimento da nova geração, eu esperava que a Ford fosse mais ousada criando um produto com os itens de segurança (air bags), estrutura reforçada para se sair bem nos testes de colisão, e por usar a mecânica da nova Ranger, ofertarem o câmbio automático AT6. Permitiria o produto ser explorado em países onde a segurança é rígida e o AT uma regalia comum. Infelizmente, optaram por manter o produto dentro da legislação falha local que permite veículos da sua categoria não terem air bags, e muito menos há obrigatoriedade de submetê-lo aos testes de colisão.
    Adaptá-lo, com certeza, exigiria um investimento maior e não apenas isso, com possível aumento da demanda a unidade que o produz precisaria de investimento para ser ampliada.

  • Até que enfim a engenharia brasileira pode ajudar as montadoras a desenvolver boas maquinas.
    Temos montadoras instaladas em nosso país, mas não temos escolas formando profissionais capacitados pra ocupar essas vagas. Acaba que apenas produzimos/reproduzimos as criações americanas, europeias e asiáticas.

  • Supernescau

    Ótima compilação. Mas eles acham que aqui, assim como nos países desenvolvidos, existe qualidade na construção destes carros. Se ele vissem estes carros ao vivo, 90% dos comentários seriam diferentes.

    • Leonardo Valerio

      Típico comentário de quem sofre de complexo de vira-latas, lamentável, já que no Brasil, sempre tivemos alguns lançamentos exclusivos e interessantes feitos pela engenharia local das montadoras.

      • Supernescau

        E um dos motivos para esse padrão de qualdiade é o conformismo e a falta de informação. Cada um se satisfaz com aquilo que lhe é equivalente.E só pra avisar o Tata Nano é um lançamento exclusivo e resultado da engenharia local da montadora.

      • Q tal um esportivo acessível? Se pudesse O q vc escolheria: Mustang GT ou Sandero RS?

  • Gabrownx

    Lembrar também do Palio e Doblô de 1º geração que é vendido na Coreia do Norte com um nome estranho que eu não lembro.