Chevrolet Chevette – Máquina de sorrisos

Antigo / Chevrolet / Curiosidades / Vauxhall

Chevrolet Chevette – Máquina de sorrisos

Como fazer um Chevette bacana sem motor de Opala ou AP?

autowp.ru_chevrolet_chevette_sl_br-spec_1

Não é necessário falar muito, já que para bom entendedor meia palavra basta. Entretanto, vou explicar o começo, meio e fim, começando por fato: um ordinário Chevrolet Chevette pode trazer a felicidade mais rápido que uma cartomante. Mas não é tão simples quanto parece. Caso contrário, teria trocado meu carro em prol de um Chevette 1.4 74 básico há muito.

2_152Comecemos pelo passado. A Opel, subsidiária da General Motors no Velho Continente e responsável pela grande maioria das vendas do grupo por lá, lançou em 1973 a terceira geração do Kadett no pós-guerra, um dos modelos de maior sucesso na história da marca. Entretanto, esta geração do Kadett (identificada pela letra “C”) não era nada além do que o Chevette lançado seis meses antes no Brasil pela Chevrolet.

Opel Kadett GT/E

Opel Kadett GT/E

Em terras brasileiras, o Chevette era empurrado por um anêmico motor 1,4l. Já na Europa, o Kadett C usava um 1,9l (depois 2,0l) com alimentação por injeção de combustível Bosch na versão GT/E. Era muito interessante nesta configuração: tração traseira, motor pequeno e potente, e baixo peso. Isso o levou a uma série de sucessos nos ralis de lá – com pilotos com sorriso na cara. E o mesmo ainda foi mais explorado pela subsidiária inglesa do grupo GM, a Vauxhall. No Reino Unido, o Vauxhall Chevette HS dispunha do 2,3l 16v e 135 cv que fora um arraso nas competições na terra do Duran Duran. 

Vauxhall Chevette HS. Como ser feliz nos anos 70!

Vauxhall Chevette HS. Como ser feliz nos anos 70!

Entretanto, a esta hora do campeonato, você se pergunta: “E como posso eu, nascido aqui na república de Collor, ter um brinquedo destes?”. É o que vem a seguir.

autowp.ru_chevrolet_chevette_4

Nosso Chevette compartilha a mesma base deles, só nos falta motor, suspensão, câmbio, freios e espírito esportivo. Não é difícil fazer uma cadeira elétrica destas. Basta conhecimento, dinheiro, boa mão-de-obra, paciência para buscar peças, entendimento com a patroa, tempo livre, um carro para rodar no dia a dia, nenhum sobrinho por perto para pentelhar e cerveja gelada na hora certa. Aí as coisas tenderão a dar certo. Vamos por partes, para melhor explanação:

Motor e transmissão

Regra 1 – Nada de “Chepala”

Regra 2 – Nada de AP

E explico. Não queremos um dragster só para andar em linha reta, com um peso absurdo na frente do carro, com motor pouco girador e de baixa potência específica como os 151 e 250 da GM. O carro é leve, não necessita de doses cavalares de torque. E, para que um AP, se o engine swap pode ser todo feito com peças GM? A propósito, o carro ficaria delicioso com um motor girador, sem turbo. Então, trataremos de preparação sem sobrealimentação.

Motor grande, pesado e deslocando centro de gravidade? Não, obrigado!

Motor grande, pesado e deslocando centro de gravidade? Não, obrigado!

A configuração mais interessante para um projeto desses é um motor com quatro cilindros em linha, com boa potência e disponibilidade de peças. Dentro do grupo GM, temos:

  • C16XE, do Corsa GSi, de 109cv;
  • X18XE, também conhecido como Powertrain, que varia de 102cv (Setup I, 8V) até 122cv (16V)
  • X20XE, do Vectra 8V (desde 116 até 133cv)
  • C20XE, do Vectra GSi
  • X20XEV, do Astra 2.0 16V/GSi e Vectra CD 2.0 16v

Outros motores como o 1,6l 8V, 2,2 e 2,4 foram dispensados por vontade própria, mas servem também. Mas, da lista acima, a vantagem a meu ver é dos dois últimos, com destaque na relação custo/benefício para o X20XEV. E é com base nele que trabalharemos.

image[19]

Com 136cv de potência e 185Nm de torque, num motor de 2,0l, dezesseis válvulas e duplo comando de válvulas no cabeçote, este motor sem qualquer preparação já é suficiente para torcer o Chevettinho. Entretanto, com comandos de válvulas mais bravos, escape redimensionado, admissão com um Cold Air Intake real, pistões forjados, taxa de compressão maior e injeção programável (FuelTech ou MegaSquirt), com bicos de injeção readequados e cabeçote retrabalhado nas sedes de válvulas e com estudo de fluxo, linha de combustível de maior pressão e ignição aprimorada, a brincadeira passa com certeza dos 180cv. Empurrando menos de 1 tonelada! (Nota do editor: o Chevette original tem 870kg)




Para a transmissão, uma embreagem reforçada acoplando a usina de força no câmbio do Omega 2.0. Cardã é por conta do freguês, assim como o diferencial (o do próprio Omega é uma boa), que deve casar com o câmbio em termos da relação final de transmissão. Semi-eixos e outros itens que compõem a transmissão à roda também devem ser revistos.

Suspensão, freios e carroceria

image[23]

Uma vez feito o trem-de-força, vamos colocar a máquina para fazer curvas e parar como deve. A diversão do carro está exatamente aí: motor potente levando um carro de comportamento dinâmico irrepreensível serra acima. Se não entende o que estou falando, procure os vídeos de rali com os bons carros dos anos 70! Cuidado para não babar no mouse pad da sua mãe, hein campeão!

Aqui não tem muito segredo. Molas e amortecedores mais rígidos e de qualidade, barra de amarração das torres dos amortecedores dianteiros, e buchas, coxins e bandejas revistas. A suspensão do Chevette original é satisfatória para arrancar sorrisos do condutor, mas deixá-la mais firme e esperta é interessante. Deve-se também verificar e reestudar cambagem, cáster e convergência tendo em vista a alteração da distribuição de peso do carro, e da proposta mais agressiva do mesmo.

Para os freios, uma boa pedida é o conjunto de freio e pastilha dianteiros do Vectra B CD, com o conjunto anterior do Astra no lugar dos tambores originais. É interessante a adição de um servofreio e da troca do cilindro-mestre do freio. Fluido de freio de especificação DOT 5 é bem interessante e recomendado, também. Com isso, o bicho irá ancorar!

Se não for transportar mais ninguém, arranque tudo que há no interior do carro. Alívio de peso é o que há, já havia ensinado Colin Chapman. Deixe painel, coloque uma instrumentação decente, um volante DIGNO e de boa pega (Momo, Nardi, Corsa GSi, e afins). Dois bancos concha de qualidade servem para o propósito, assim como uma roll-bar bem estruturada e bem feita (nada de soldas porcas e materiais vagabundos, guerreiro!)

Design

opel-manta-400-2851064880628879745

Rodas grandes são proibidas e pronto. São pesadas, atrapalham o trabalho da suspensão e são aberrações. Que tal um jogo de OZ Crono de 15”, por exemplo? Uma boa fonte de inspiração são os Opel de rally dos anos 70 e 80, como esse Manta 400 abaixo. Peças de carroceria da Irmscher de época ou similares também são boas pedidas.

Feito isso, saia arrepiando por aí. Procure um trecho de serra e seja o cara mais feliz do universo e arredores. Dê show em SUVs obesos e plastificados que custa cinco vezes um Chevette desses. Leve a tua sogra para um rolê e ela te respeitará. Seja o cara mais amado do seu círculo automotivo. Assim que na minha atribulada vida estudantil sobrar uma boa quantia em dinheiro, monto um desses. Ou um Omega com V8 350. Ou uma D20 com o V8 572 e Supercharger. Ou um Fusca-Subaru. Ou um Clio 2.0 16v. Ah, sei lá…

  • V12 for life

    Se é para arrancar o interior a ponto de só deixar o painel, um Santo Antonio também cai muito bem nesse projeto aumentando a rigidez torcional e consequentemente a brincadeira. De todos os candidatos a motor gostei mais do C20XE, embora aquele lote de V6 da Trailblazer leiloado no começo do ano e que deve pesar o mesmo ou menos que a maioria dos família II também seja ótimo, e passa facilmente dos 300cv com pouca modificação.

  • Pedro Cunha

    Sei lá, mas muitas vezes imagino um Chevette SL 1981, com visual 100% original, mas com um motor GM FI 1,4 flex(Montana e dos últimos Corsa). Fico pensando o quanto divertido e esperto ele ficaria, sem contar a economia e robustez para usá-lo como “daily-driver”. Calculo que não despenderia mais de R$8mil nessa empreita.(Considerando aquisição e legalização do motor e toda sua “instalação” no carro).

    • Renato Passos

      Boto muita fé nisso.

  • pedro rt

    eu gostaria muito de ter um chevette 1980 com paralamas alargados, rodas parecidas com a desse manta, um aerofolio discreto na traseira, com uma boa estrutura de santoantonio dentro, 2 bancos concha de boa qualidade e suspensao, freios, cambio e motor do finado vectra 2.2 16v. o carro ia ficar animal! fora q eu ia tirar a grade dianteira e fechar tudo e colocar farois retangulares pra ficar a cara do vauxhall chevette

  • Anônimo

    Quando se fala mal de chevette e pq não tem braço pra pilotar um tração trazeira… acostumado os mil da vida ou já tomou coro de um chevas…

  • David

    vou escrever para aqueles sem alam e que não tem amor por um carro .
    chevette merece respeito, apesar de clássico, é lindo !
    e, pra que gastar 25 mil num chevette…
    bom
    pra mim é melhor ter um chevette com uns 300cv te empurrando no banco do que ter um semi-novo 1.0(ai ai) seco.
    antes de falar mal de carro , vejam se aprendem a arte da preparação
    leiam mais artigos
    e se possível, andem em algum preparado

    chevette 1.6 alcool (futuro 2.2 16v turbo)

    bye bye

  • Anônimo

    vejam o nome da criança,( PÉ DE BOI) onde ja se viu boi saber de alguma coisa… fusca tem historia não só no brasil mas no mundo todos e é padrão no mundo todo..

    AFFFF…

  • Anônimo

    Carro com mais história que o fusca? E que o chevette tbm. Compra um FOrd T que ele vai te dar muito prazer ao dirigir… Esse aí entende do assunto.

  • Anônimo

    é verdade… você deve entender muito de prazer ao dirigir certo??
    faz o seguinte: junta uma grana, compra um Astra e coloca umas rodas 17"… perfeito: imenso prazer ao dirigir!
    deixa essa história de gastar com carro velho pra pessoas que não entendem muito de carro… como Nelson Piquet, por exemplo, que gastou um caminhão de dinheiro num Fusca velho…

  • pedeboi

    gastar dinheiro com Chevette é igual a gastar com Fusca, coisa de quem não tem o que fazer e não tem bom gosto… tanto carro com mais história e prazer ao dirigir que se pode comprar semi-novo que não vale a pena gastar em carros velhos e de outrora…

  • Há quase 20 anos , conheci um dono de um desmanche que tinha adaptado um motor preparado de opala em um chevetinho. Foram várias adaptações, pois segundo ele contava, o motor do Opala não caberia naquele espaço. A graça dele era emparelhar no semáforo com donos de monza (récem lançado), opalas, passat e outros modelos potentes da época e deixar todo mundo comendo poeira.