Malagrine

Malagrine

Mercado / Toyota

Em nova geração, Toyota SW4 2016 chega por R$ 205.000

Utilitário volta a oferecer opção de motor V6 4.0

Malagrine

Pode até não parecer, mas a nova Toyota SW4 é baseada na mesma plataforma da nova Hilux, a venda desde o ano passado. É que nesta nova fase o utilitário evoca sua própria personalidade, com linhas angulosas e muitos cromados de forma a ter alguma independência. Com a volta do motor V6 4.0 a gasolina, que chegou a ser usado entre 2009 e 2010, os preços do utilitário começam em R$ 205 mil.

Malagrine

Veja também 

Em relação ao modelo antigo, o SW4 ficou 9 cm mais longa (totalizando 4.79 m), 1,5 cm mais larga (1.85 m) e 1,5 cm mais baixa (1.83 m), mas o entre-eixos está 0,5 cm mais curto (2.74 m). Parte da culpa pelo comprimento meio é da frente pontiaguda, com a grade cromada que interliga os faróis (com LEDs DRL integrados) e a tomada de ar inferior que liga um farol de neblina ao outro.

Malagrine

Na lateral, a coluna ‘C’ larga, caracterísca do SW4, foi trocada por um corte agressivo na linha de cintura, delimitada por um friso cromado. As rodas aro 18″ também chamam atenção. As lanternas traseiras estreitas têm LEDs e são separadas por uma régua cromada e deixam a retaguarda deste Toyota bem interessante visualmente.

Malagrine

Por dentro, quadro de instrumentos e volante são compartilhados com a picape, mas todo o resto é bastante diferente. O console central está mais próximo do motorista e reúne central multimídia e comandos do ar-condicionado (que tem saídas para as três fileiras de bancos) e da tração 4×4. O acabamento tem detalhes metalizado e de imitação de madeira. A Toyota diz ter reforçado o isolamento acústico e melhorado a absorção de vibrações do motor.

Malagrine

Entre as opções de motores há o Toyota 1GD 2.8 16V turbodiesel, mesmo da Hilux. Tem turbo de geometria variável (TGV), intercooler e sistema de injeção common rail e promete ser 11% mais econômico que o antigo 3.0. Rende 177 cv a 3.400 rpm, e 45,9 kgfm, entre 1.600 e 2.400 rpm.

Malagrine

A novidade porém, é o V6 4.0 24V a gasolina que está de volta à linha após seis anos. Não é dos mais novos e não teve qualquer mudança em relação ao antigo, mantendo injeção tipo EFI que lhe faz alcançar modestos 238 cv de potência a 5.200 rpm e 38,3 kgfm de torque, a 3.800 rpm.

Malagrine

Nos dois casos o câmbio é o automático de seis marchas Super ECT6. Em relação ao antigo, tem primeira velocidade 2% mais curta e a sexta 19% mais longa. Ainda tem os modos de direção ECO, para condução mais suave, com consumo de combustível eficiente, e POWER, que preza pela esportividade ao aproveitar melhor as marchas. Todas as configurações têm tração 4×4, que agora tem acionamento eletrônico e trabalha em conjunto com o bloqueio do diferencial traseiro e do Controle de Tração Ativo (A-TRC), que permite que, em uma situação off-road, as rodas possam tracionar, aplicando a pressão de frenagem adequada nas rodas.

Malagrine

Vendida apenas na versão SRX neste primeiro momento, a Toyota SW4 tem de série partida sem chave, sete airbags, Isofix, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de reboque (TCS), assistentes de subida e descida, banco do motorista com ajuste elétrico, ar-condicionado automático, porta-luvas refrigerado, bancos de couro sintético, volante multifunção com ajuste de altura e profundidade, e borboletas para trocas sequenciais, acendimento automático dos faróis e retrovisor interno fotocrômico.

Custa R$ 205 mil na versão com motor V6 a gasolina, vendida apenas com sete lugares. Já com o motor diesel, custa R$ 220 mil na versão de cinco lugares e R$ 225 mil na de sete.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • PtpBahia

    Ano passado viajei em uma 2014, o calor do powertrain passava para a cabine, além da suspensao traseira dar batente com poucas malas.

  • Brasileiro

    Muito caro, por ser um derivado de pick up com esse valor compra-se um LAND ROVER DISCOVERY SPORT com cambio de 9 marchas, com 240 cv.

    • Alexander NotTheKing

      Concordo plenamente, e este motor 4.0 ? O que dizer disto? Em tempos de controle de emissões, é de se estranhar que tenham conseguido mante-lo em atividade, ou o PROCONVE é permissivo demais ou fizeram mágica, colocaram “oito” catalisadores ali.