Pergunta da Semana

Pergunta da Semana – Volante de quantos raios para você?

Um, dois, três, quatro: você tem algum modelo favorito de volante?

_origin_kapec-ir-labi-braukt-ar-2

Não foi dessa vez que eu morri: sim eu estou aqui! Como a fênix que renasce das cinzas, sumimos por algumas semanas. Mas estamos de volta. Andando por esse Brasil infinito de meu Deus, encontrei um raro Citroën XM em um desmanche. Parei e fui atrás de itens de interior do mesmo, uma vez que seus bancos serviriam para um projeto de mobília da minha casa que eu tenho em mente. A parada foi infrutífera: tudo já havia sido vendido, menos o volante. Por ser um XM de primeira série, uma grata surpresa: era o volante de um raio apenas, loucura típica da fabricante do double chevron.

Daí para eu iniciar mais uma reflexão sem sentido foi um pulo. É, comecei a divagar acerca dos volantes. E não estou falando de Felipe Melo, David Luiz Oleúde ou Marquinhos Paraná. E sim do principal meio de comando do carro, aquele que transmite a mais primária das sensações ao condutor. Sim, toda a mecânica do automóvel interfere na forma que o sentimos, principalmente o acerto de chassi e dos sistemas de direção. Mas seguramente o material, o diâmetro, a posição e mesmo a forma do volante são itens preponderantes na forma que sentimos o veículo.

Subaru XT Alcyone instrument panel

Sim, temos volantes redondos, de formatos irregulares. Pequenos ou imensos. De baquelite, plástico, borracha, revestido em couro ou em madeira. Mas o que debatemos aqui é a influência que o número de raios tem na nossa condução, na sensação ao dirigir. De todos os meus carros, a maioria deles tinham volante de três raios. Os dois que se situam na horizontal tem uma vantagem inerente: servir, por pequenos instantes, para descansar os dedos em longas jornadas. Além disso, a pega nessa região para aqueles que guiam seguindo a posição de “quinze pras três”, uma prática de bom senso, costuma ser facilitado.

Por outro lado, eu costumo ter repulsa de volantes de dois raios. E quanto mais antigo, maior tende ser a minha ojeriza. Sim, já tive carro com esse tipo de volante. O que salvava era o ótimo acerto de chassi dele e do diminuto tamanho do comando em questão, que minimizava o design que considero anti-ergonômico. Este semi-ancião que vos escreve, historicamente, tem predileção pelos volantes de três raios. Em seguida, os de quatro. Os de dois, dispenso. De um, logicamente aceito: é um Citroën histórico, oras!

P90053027

E você, o que acha disso? Qual tipo de volante prefere? Tem alguma história com algum deles? Algum modelo favorito? Vamos, opine e compartilhe conosco a sua opinião!

Mercedes-Benz Typ E 55 AMG T-Modell der Baureihe 210

E até a próxima

  • Dudu Pimentel

    O Santana tinha volante de 4 raios, sendo que 2 ficavam na parte inferior e os 2 ficava 1 em cada ponta.

  • Pedro Cunha

    Acho quê o volante de 3 raios do Kadett GS sintetiza minha ideia de “volante ideal”.