Pergunta da Semana

Pergunta da Semana – Qual a sua opinião sobre os faróis acesos de dia?

Legislação obriga faróis baixos nas estradas em período diurno. E aí?

autowp.ru_volvo_850_kombi_5

Sim, estamos aqui! Mais uma Pergunta da Semana repleta de polêmica, desta vez abordando o apartheid que assombra o meio automotivo do Oiapoque ao Chuí. Mas se porventura você embarcou em uma nave espacial com algum amigo cósmico da Elba Ramalho, nós passaremos tudo isso em panos limpos para você. Mas, como recorrente nas mais recentes Perguntas da Semana, é hora do DJ colocar o som na caixa para azeitar toda essa discussão, que se tornou pedregosa em diversos círculos de debate:

Como vemos (e ouvimos), o próprio Tim Maia era defensor da iluminação constante. R&B à parte, temos em concreto o “cumpra-se” da lei 13.290/16, que por sua vez altera o artigo 40 do Código de Trânsito Brasileiro. A partir de então, tornou-se obrigatório o uso dos faróis baixos durante o dia em estradas estaduais e federais, mesmo no trecho urbano destas. O descumprimento de tal determinação é passível de punição com quatro pontos no prontuário da CNH do condutor, mais uma multa de R$ 85,13 a ser paga. Desde que a lei tornou-se válida, uma enxurrada de dúvidas – permeadas por críticas e elogios – tomou o campo de batalhas que se chama internet. Portanto, tratemos primeiramente do aspecto mecânico e físico da questão, para depois semearmos a discórdia.

Qual é a lógica por detrás desta decisão? Uma vez que nossos olhos funcionam “recebendo” informação luminosa das mais diversas fontes, a intenção é tornar os veículos que trafegam em sentido oposto mais facilmente identificáveis quando ainda estão distantes. Sendo os faróis uma fonte de projeção luminosa direta (ele gera o feixe de luz, não havendo somente reflexão luminosa como em um objeto sem iluminação), é uma poderosa forma de trazer informativo à distância para o condutor quanto ao que trafega em considerável distância em sentido oposto. Em termos práticos, para quem já passou pela situação de não identificar um carro em sentido contrário no ocaso do dia sabe a diferença que o farol acesso faz. Desta maneira, busca-se evitar colisões dianteiras, principalmente em manobras de ultrapassagem.

Nos países do hemisfério norte, notoriamente aqueles em grandes latitudes em que a incidência solar durante o dia é complicada, tal obrigação existe desde o princípio dos anos 1990, especialmente nos países escandinavos, onde houve grande aceitação da população e redução no índice de colisões frontais. Assim como as motos trafegam em nosso pais a 100% do tempo com o farol baixo aceso, algumas empresas no Brasil adotaram, posteriormente, tal obrigatoriedade para aqueles que conduzem os automóveis de sua frota. Este inoxidável escriba que se dirige até vós aprendeu, desde cedo, a importância desta medida. O progenitor deste serumaninho sempre praticou tal gesto, mesmo antes da corporação na qual ele trabalha adotar um procedimento em que 100% da frota trafega com farol baixo a qualquer hora do dia.

Para quem passa muito tempo na estrada como eu, Pedro e Bino, a diferença é sensível. Se nós já tínhamos este hábito, ver os viajantes como nós praticando tal medida trás uma pequena sensação de seguridade extra. O único efeito negativo desta lei é um gasto extra, para o motorista, em lâmpadas. Não sendo um componente de reposição constante , nem mesmo tendo um preço proibitivo de aquisição e instalação, realmente tal incremento nos gastos – isso se realmente houver – não compensa uma sobrevida ao motorista e seus ocupantes?

renault_duster_52

Eu sou inteiramente a favor da lei. E você, incauto leitor, o que acha disso? Já passou por alguma situação na qual os faróis acesos de dia te salvaram de uma enrascada – ou pelo contrário, um farol apagado te colocou em uma fria? Alguma objeção à lei, seja de forma integral ou parcial? Vamos, deixe aqui a sua opinião!

E até a próxima

  • Douglas

    Por mim os carros seriam como as motos, farol aceso ao virar a chave. Impediria vários imbecis de trafegar de farol apagado mesmo q noite, e o mais importante, essa choradeira de quem se recusa a seguir a lei.

  • Vinicius Vasques

    Eu sou a favor do uso de faróis em rodovias, mas não concordo muito com a maneira com que a Lei está sendo aplicada. Vou levantar 3 pontos:

    Ok, o intuito da lei é que você possa enxergar outro carro na direção oposta, mas se esquecem que a maior parte das colisões frontais vem de ultrapassagens em locais proibidos – curvas, aclives … e muitas vezes são causadas por simples imprudência e/ou más condições da via. Não há lâmpada que resolva isso.

    Para mim existe uma diferença gigante entre rodovias dentro e fora do perímetro urbano e é ai que a Lei se aproveita para ser apenas um caça-níquel. Um exemplo em BH. A BR 381 atravessa 20km pela cidade, totalmente iluminada, com velocidade controlada por radares de 70km/h e transito digno de qualquer grande avenida onde você não conseguirá trafegar a mais de 20km/h. É o mesmo caso das marginais em Sampa. Existe realmente necessidade de se ligar faróis nestas condições? A polícia federal tem se posicionado próxima a cruzamentos com grandes avenidas (onde a lei não se aplica) e multando motoristas que percorrem um trecho de 500m para fazer retorno.

    Outra falha é em relação às lâmpadas em si e aos DRL. O simples fato dela existir não significa que ela será visível. Tenho um 208 com DRL. As lâmpadas originais eram halógenas amarelas (3000k bem úteis por sinal) e causavam derretimento do acabamento do farol. Troquei por uma LED de 4000k que é levemente branca e na luz da manhã não faz muita diferença (assim como 80% dos carros que possuem DRL LED cuja temperatura é de 5000k). Porém segundo a Lei não poderei ser multado pelo carro possuir DRL mesmo não havendo eficácia nenhuma na iluminação. Isto serve também para carros que usam lâmpadas super-brancas e afins no farol baixo – cumpre-se a lei, mas falta bom senso.

  • Milton Quadros

    Uso farol aceso desde 1984, quando tive meu chevette marron quase abalroado em um cruzamento por um senhor que olhou para os lados, não enxergou o carro e saiu. eu vinha a 80 por hora, subi o canteiro e estraguei a suspensão dianteira.

  • Dudu Pimentel

    Levando em consideração que o LED já está substituindo as lâmpadas comuns e que ilumina mais do que elas, acho se todos os carros tivessem LED diurno seria ótimo…mas mesmo os modelos que ainda usam luzes comuns deveriam ter as luzes diurnas, desde que a bateria tenha a carga proporcionalmente igual em comparação com modelos com luzes LED.

  • Elizandro Rarvor

    Nada a acrescentar ao texto, ótimo. Concordo.

    Viajo e muito pelas estradas e sempre utilizei os faróis acesos durante o dia. Não são poucas mas milhares de vezes que me deparei com algum carro no sentido contrário com faróis apagados já depois das 18 horas.

    Acho bem vinda a lei e já senti a diferença é gritante, agora são raros os carros que vejo com faróis desligados o que comprova como o ser humano é ignorante, não é possível que o cidadão esteja trafegando pela estrada e não perceba os milhares de carros com faróis acesos e só ele que não, será que ele não se questiona?

    Será que o cidadão não percebeu que algo mudou? Provavelmente não.