Tesla Model S em modo autônomo se envolve em primeiro acidente fatal

Tesla

Tesla Model S em modo autônomo se envolve em primeiro acidente fatal

Teslta2

O primeiro acidente fatal envolvendo um Tesla Model S no modo piloto automático aconteceu no dia sete de maio deste ano. O motorista do veículo, que faleceu, era Joshua Brown, de 45 anos. Em seu canal no Youtube há diversos vídeos demonstrando o funcionamento do sistema (veja abaixo).

Um dos vídeos mostra o sistema evitando uma colisão, e foi compartilhado pelo CEO da Tesla, Elon Musk. O acidente ocorreu em Williston, na Florida. O Tesla Model S modelo 2015 estava com o modo Autopilot ativado, quando uma carreta entrou à esquerda, cortando a frente do carro, que parou embaixo do caminhão. Joshua morreu na hora.

O National Highway Traffic Safety Administration (NHTSA), divulgou que está investigando o acidente. A Tesla emitiu uma nota oficial em seu site, informando que é o primeiro acidente fatal em mais de 130 milhões de milhas percorridas por seus veículos com o modo Autopilot ativado. É menos do que a média americana de uma morte a cada 94 milhões de milhas, ou internacional, de uma morte a cada 60 milhões de milhas.

Ainda de acordo com a Tesla, o freio não foi ativado pelo modo autônomo e nem pelo motorista, pois a carroceria do caminhão, da cor branca, brilhando sob sol forte, não foi percebida. A tecnologia ainda está em fase de testes e exige que o motorista mantenha as mãos próximas ao volante, fazendo verificações periódicas para assegurar-se de que o motorista está atento para assumir a direção. Se isto não ocorrer, o carro desacelera lentamente emitindo alertas para que o controle seja retomado pela pessoa.

Por exigir que o motorista fique pronto para qualquer emergência, a Tesla não se responsabiliza pelos problemas envolvendo o sistema. Outras fabricantes testam sistemas autônomos, mas não de forma aberta como a Tesla. A Volvo já declarou que se responsabilizará por acidentes que ocorrerem quando seus carros em modo autônomo estiverem envolvidos. A nota da Tesla pode ser conferida na íntegra, em inglês, clicando aqui.