Pergunta da Semana

Pergunta da Semana – Quão potente deve ser um carro pro cotidiano?

Qual é o mínimo aceitável para não sentir raiva no dia a dia?

volkswagen-high-up-tsi (7)

Embora não pareça, nas próximas linhas você lerá – e queimará neurônios – em mais uma Pergunta da Semana: sim, estamos de volta. Entretanto, por uns instantes, isso aqui parecerá mais uma revista de fofoca ou a coluna social do seu jornal local. Pois falaremos de festas, vida íntima e afins. Para que haja a devida ambientação, vamos convocar o DJ de uma vez para soltar o som da festa. Toca uma aí, dê-jota!

Bom, tinha uma festa rolando. A festa de formatura desse escriba, em um dos cartões-postais da capital das alterosas. Cerveja, whisky, carne e risadas às dúzias – e eu me desdobrando entre o serviço aos convidados, os goles devidos de Jack Daniel’s Honey e a atenção aos presentes. No meio do convescote, já com o juízo semi-alterado, um convidado indaga a esse então recém-formado engenheiro (me deem os parabéns nos comentários) a seguinte questão:

chevrolet_suburban_6

“Qual é a potência ideal para que um carro de uso urbano seja agradável?”

Acreditem ou não, o whisky não tirou minha capacidade de raciocínio lógico. Respondi da seguinte forma:

“Qualquer carro que tenha ao menos 12 kgfm de torque por tonelada disponível a menos de 2.500 rpm tende a ser agradável no uso urbano no que toca o vencimento as forças inerciais”.

O que aconteceu depois disso? O convidado-inqueridor me olhou como se eu estivesse uns 3 DDD para lá de Bagdad. Simplesmente me olhou com cara de tacho, embora eu gozasse plenamente de minhas faculdades mentais. Por que tal espanto?

221106vw

Simples. Em algum lugar da história, algum sábio disse que “as pessoas compram potência, mas dirigem torque”. Em termos simplistas – caso haja a demanda, podemos entrar mais profundamente no assunto – o torque é mais importante no cotidiano do que a potência. Isso se dá pela simples equação matemática:

Potência = (Torque x RPM)/Constante de conversão.

Sabemos que não é comumente agradável a subida constante de giros do motor para o motorista comum. Sendo assim, se buscamos um valor “X” de potência, um carro com torque “T1” obterá esse valor “X” de potência a uma rotação “R1”, da mesma forma que um carro com torque “T2” obterá “X” a uma rotação “R2”. Colocando em termos matemáticos, temos que:

T1 x R1 = X
T2 x R2 = X

Logo, se sabemos que o torque “T1” do carro 1 é maior àquela rotação “R1”, podemos afirmar que:

T1>T2
R1<R2

Naturalmente, você afirmará: “Renato, seu imbecil, pare de colocar equações e inequações na minha frente e diga a conclusão dessas letras de uma vez”. Bom, então se temos dois carros bem próximos entre si em termos de peso, porte e afins, aquele que oferecer mais torque a rotações mais baixas tenderá a ser mais agradável no uso urbano justamente por “esgoelar” menos o motor. Simples né?

maxresdefault

Passada essa viagem matemática escalafobética, voltemos à nossa pergunta: você já parou para pensar no quanto de torque – e como ele é entregue – no seu carro ou nos automóveis que temos na rua? Observe o fenômeno Volkswagen up! TSI e seu EA211 brilhante: muito torque relativo para a massa daquele caixote mágico, entregue a baixos regimes. Daí a fama de “carro fortinho, gostoso para a cidade” que o modelo em questão tem obtido. Idem ocorre nas pick-ups com motor Diesel, que entregam montanhas de torque a baixas RPM, dando a impressão de força infinita nas saídas de semáforo, aclives e afins.

O que você acha disso tudo? Pensou no torque do seu carro na hora de comprá-lo – ou sequer conhecia tal lógica? O carro de uso diário desse escriba oferece torque dentro daquela afirmação do começo do texto. O seu também? Alguma experiência, concordância, discordância ou vontade de matar o autor? Vamos, opine logo abaixo!

2-0_cdti_vauxhall_antara_emblem_07.jpg

E até a próxima.

  • lucasfs

    Parabéns passos.
    Meu corsa sedan 1.4 me atende muito bem no que se refere a toque, até porque me glorio de ter o 1.4 aspirado mais potente do mundo em sua epoca. Estou satisfeito com o carro em relação ao engine. Já no resto (conforto, economia, robustez…)

  • PtpBahia

    Outro exemplo interessante sāo os motores aspirados da VW, pouca potencia e torque nem tāo alto, mas em baixa rotação o que sempre surpreende quem dirige. É a questão do “dirigir torque”

  • PtpBahia

    importantíssimo! Já tive bons 18,5 a 2.800 e hoje estou ainda mais satisfeito com 28,6 a 1.700!

    • Renato Passos

      Qual é a máquina?

      • PtpBahia

        Era Punto 1.8 gm,! Agora Jetta!

  • awatenor

    Veja bem, sou suspeito pra falar, tenho um Úpi TSI, então, satisfação garantida. Mas acredito que de uma forma geral, o melhor mesmo é se procurar dirigir o veículo antes de comprar, as características do carro tem que se adequar às necessidades do dono e não o contrário. Aliás, é inadmissível essa conversa de “característica do veículo” que certas concessionárias empurram, obrigando o dono a aceitar defeitos de concepção e ajuste que nos fazem ter que nos adaptar às “idiossincrasias” do carro…uma “bergonha”. Dessa forma, é tudo uma questão de adequação entre você e sua montaria. Dirija antes e compre depois.

  • Douglas

    Primeiramente, fora temer.
    Segundamente, parabéns imbecil.
    Não faço ideia se o meu carro (Onix 1.4) tá dentro dos parâmetros citados por você. Mas o julgo satisfatoriamente confortável durante os deslocamentos diários.

  • Sergio Vilaça

    Caro escriba, acredito que associado a torque temos que considerar a eficiência energética. Parabéns pela matéria.