Pergunta da Semana

Pergunta da Semana – Você se importa com o espaço no banco de trás?

Espaço para ombros e pernas são preponderantes na sua compra?

img_7163

Como se morássemos em um país de primeiro mundo, a pergunta dessa semana foi escrita dentro de um trem de passageiros. Embora para nós, mineiros, “trem” seja tudo e nada, o alfa (164) e o ômega (Lotus), o gênesis (R-Spec) e o apocalipse juntos. Bom, isso só é possível pela distância entre as poltronas da locomotiva, que permitem a instalação de ampla mesa com tomada de força para um uso descomplicado de laptops e dispositivos do gênero.

Como é bom viajar de forma tranquila com espaço para as pernas, não é mesmo? Poder cruzar as pernas, não ter aperto para quadris e ombros, livre espaço para movimentação corporal. Se nos bancos dianteiros dos nossos automóveis tais questões sejam facilmente resolvidas, nem sempre podemos encontrar o mesmo no banco de trás. Para ajudar a mensurar a importância de tal espaço, uma música para embalar as memórias desse escriba pimpão:

Gessinger cantou que tudo se deu no banco traseiro de um Alfa Romeo. Bom, este que vos fala poderia dizer que também já praticou atos libidinosos no banco traseiro de vários carros, em que vastidão de espaço é importante para movimentos aeróbicos. Mas como isso vai contra as morais estritas do Primeira Marcha, não direi que fiz tais delícias carnais. Que foi bom, foi.

Portanto, prefiro me ater à memória que remete aos meus sete anos recém-completados e à chegada de um vistoso Fiat Tempra na garagem. Dentre as inúmeras qualidades, não me esqueço do chamariz paterno para “o grande espaço para as pernas” naquele italiano que marcaria minha vida. Eu era pequeno e o espaço era ótimo. Hoje, adulto, vejo que tal questão permanece como ponto alto daquele projeto do fim dos anos 1980.

fiat-tempra-20-16v-1467681339171_1696x1080

De volta aos tempos atuais. Analisando profundamente uma Mercedes Benz C180 W204 que estava na oficina de um amigo, vejo o quão refinado tecnicamente o sedã teutônico é em suas minúcias. Mas simplesmente não atenderia a minha família: seria excelente em todos os aspectos, menos no espaço disponível no banco de trás. Somos três filhos, e não dá para viajar com aperto. Doa a quem doer: Duster 1 x 0 C180.

Ainda nesse campo, algum dentre vós já verificou – e se viu impressionado – com o espaço para as pernas disponível no simples Nissan Versa? Surpreende a muitos. E, antes que perguntem qual foi o carro com assento traseiro mais confortável em que já andei, excetuando minivans com poltronas individuais como Kia Carnival e Dodge Caravan, não hesito em cravar: Volvo 850/V70. Não é atoa que é um dos carros favoritos deste que vos escreve

volvo_v70_18

E aí, caro leitor. Quão importante para você é o espaço traseiro no seu carro? Isso é importante na hora da compra? Qual a sua melhor – e a pior – experiência nesse aspecto? Vamos, compartilhe conosco o seu relato e a sua opinião logo abaixo

2016-Mercedes-Maybach-S600-rear-seats-with-two-people

E até a próxima!

  • PtpBahia

    Já tive uma Perua durante 3 anos, somente usei o porta-malas uma única vez. Todos os carros que tive, usei muito pouco o banco traseiro. Atualmente com um sedan com bom espaço no banco traseiro e bom porta-malas, mas até agora com muito pouco uso!

  • rodrigosr

    na compra do meu atual New Fiesta Sedan, não levei isso em conta. Simplesmente não cabem 3 pessoas no banco de trás. Mesmo duas, viajam com as pernas espremidas.

  • Wilson Diogo Junior

    Espaço em todos os bancos é muito importante para mim! Tanto que tenho um Cobalt, rs.
    Minha pior experiência, considerada a expectativa pelo tamanho externo do carro, foi com um Punto, extremamente apertado e quente, com porta-malas minúsculo.
    Já tive Ford Ka há uns 16 anos, mas a expectativa era baixa e o espaço até me surpreendeu pelo porte do carro.

  • Se espaço fosse importante a todos brasileiros, hb20 não vendia tanto hahaha. Tá aí um exemplo que claramente prioriza design, sacrificando espaço e funcionalidade.

  • pedro rt

    ontem entrei num etios hatch e me senti confortavel no banco da frente mas nao tanto no banco de tras pois tive q regilar o encosto do banco da frente pra conseguir entrar atras

  • pedro rt

    espaço interno e importante pra mim mas nao fundamental, tenho 1,90m de altura, a minha familia e so minha mae q e bem mais baixa q eu, 1,50m, e de vez enquando andamos com 4 pessoas dentro, mas as outras 2 tmb sao de estatura baixa, 1,60m e 1,48m

  • Pedro Cunha

    Também não ligo. Tenho sedã 2 portas e hatch compacto em casa, mas confesso não ligar nada para o espaço traseiro. Obviamente não tenho filhos e muito pouco ando com algum dos carros com mais de 3 pessoas.
    Creio que para quem tem família/amigos/filhos/agregados-em-geral, isso seja sim importante e tanto quanto é a possibilidade de poder ajustar os bancos dianteiros sem sacrificar quem for atrás.
    Em muitos sedãs mais “antigos”, mesmo com os bancos dianteiros totalmente recuados, ainda é possível levar passageiros atrás, coisa que é praticamente impossível na totalidade dos populares e compactos atuais, e mesmo em alguns médios. Salvam-se disso os “crescidinhos”, como Logan, Cobalt, G-siena…

  • Elizandro Rarvor

    Eu ligo e muito, minha família tem estatura elevada, por isso entre os sedãs o Peugeot 408 foi o melhor em espaço, meu filho de 1,92 de altura conseguia dobrar a perna setado atrás do banco do carona ajustado para a esposa que tem 1,75.

  • pedro

    Eu não me importo muito não. Como motorista eu me importo com o meu espaço ali na frente. kkkk
    Tanto que escolhi um sedã que não é campeão de espaço no banco traseiro, aliás, é bem criticado por isso. Tenho apenas um filho e não gosto de carregar muita gente não.

  • Sim e odeio o espacinho do meio feito para “crianças”. Carro 4 portas/4 pessoas e só. Perdi as contas das vezes que fui desconfortável porque tinha alguém no meio.