Mercosul

Placa do Mercosul tem uso no Brasil adiado mais uma vez

placa-padrao-mercosul-sera-obrigatoria-a-partir-de-20202-800x500

O modelo das novas placas de identificação de veículos para os países do Mercosul está definido desde 2014. Tanto que Argentina e Uruguai já estão utilizando este novo padrão. Mas o Brasil ainda não aderiu e uma nova resolução do Denatran (Departamento Nacional de Trânsito) adia seu uso por tempo indeterminado.

Leia mais ›

por 14 de setembro de 2016 Mercado, Mercosul

Volkswagen vai fabricar um novo modelo na unidade argentina de Pacheco

VW-T-Roc

O presidente argentino Mauricio Macri viaja, no dia 5 de julho, para a Alemanha em busca de investidores para seu país. E na agenda do mandatário do país vizinho está uma reunião com a Volkswagen. O objetivo é apresentar à marca alemã um plano de incentivos para que o país possa receber investimentos na fábrica de Pacheco.

Leia mais ›

por 22 de junho de 2016 Mercosul, Volkswagen

Volkswagen começa exportações dos novos Gol, Voyage e Saveiro

exp2

Se o mercado nacional não vai bem, o jeito é exportar. E a Volkswagen começou a enviar os novos Gol, Voyage e Saveiro para os principais mercados da América Latina. Mais de 13 mil unidades dos modelos foram enviadas para Argentina, México, Bolívia, Colômbia, Chile, Peru, Uruguai e Paraguai. Leia mais ›

por 21 de junho de 2016 Mercado, Mercosul, Volkswagen

Brasil e Uruguai assinam acordo de livre comércio

Acordo prevê cotas para carros fabricados dos dois lados

lifan_x60_2016

Brasil e Uruguai assinaram acordo de livre comércio de automóveis na última semana. Está prevista a isenção do imposto de importação para automóveis, comerciais leves, ônibus, caminhões, máquinas agrícolas e também autopeças e pneus. É uma evolução do que ficou acertado em setembro, pois amplia a atuação de empresas instaladas nos dois países e passa a valer no dia 1º de janeiro.

Leia mais ›

por 14 de dezembro de 2015 Leis, Mercado, Mercosul

Denatran apresenta placas de veículos no padrão Mercosul

Países do bloco terão modelo unificado a partir de 2016

Novas Placas [2]
Aos moldes da União Europeia (UE), os automóveis novos emplacados a partir de 2016, terão modelo de placas veiculares no padrão Mercosul. O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), órgão do Ministério das Cidades, apresentou em coletiva, nesta quinta-feira (4), o novo modelo aprovado, por unanimidade, pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) por meio da Resolução 510, publicada no Diário Oficial da União. Elas terão quatro letras e três números, o que permite 450 milhões de combinações. Rone Evaldo Barbosa Segundo Rone Evaldo Barbosa, coordenador-geral de Informatização e Estatística do Denatran, as novas placas possuem elementos de segurança visam coibir as possíveis clonagens de veículos. “A grande vantagem das mudanças é para o cidadão”, disse. A placa de identificação veicular é um documento, portanto, deve conter dispositivos para dificultar a sua falsificação ou produção clandestina. No Brasil, a clonagem de placas veiculares é elevada. Além da sua utilização criminosa por quadrilhas de roubos de veículos, há inúmeros casos de proprietários que utilizam placas frias para driblar a fiscalização eletrônica e, assim, evitar as multas de trânsito. O coordenador Rone Barbosa explicou que futuramente será possível uma integração entre os dados dos países do grupo Mercosul. “Essa ação permitirá um controle mais rigoroso do transporte de cargas, transporte de passageiros e também de carros particulares entre esses países”, afirmou. Aos moldes da UE As novas placas terão o fundo branco, com quatro letras e três números, utilizadas na maioria dos países devido ao contraste com a combinação alfanumérica, o que permite melhor visualização e leitura pela fiscalização eletrônica. Na parte superior, uma margem azul superior terá o emblema do Mercosul à esquerda; o nome do país de origem do veículo ao centro e a respectiva bandeira à direita. Entre os itens que devem dificultar a falsificação, estão linhas onduladas horizontais e marcas d’água com a logo do Mercosul, gravadas na película refletiva. Novas Placas motoA categoria dos veículos será indicada pela cor da combinação alfanumérica: particular (preta), comercial/aprendizagem (vermelha), oficial (azul), experiência (verde), diplomático (dourado) e colecionador (prateado). Será utilizado um filme na cor da categoria dos veículos com inscrições de segurança. A proposta adotada para a placa dos cinco países do Mercosul foi elaborada pelo Grupo do Mercado Comum (Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela). O novo modelo terá controle nacional para identificar a origem da placa, o que inibirá a clonagem do veículo.
Características nacionais No Brasil foi adotado o modelo que terá uma tira holográfica à esquerda, ao lado um código bidimensional, com a identificação do fabricante, a data de fabricação e o serial da placa.  No lado direito, será colocada a bandeira da unidade da Federação com o Brasão do Município de registro do veiculo. Novas Placas}Atualmente, as placas de identificação veicular são produzidas livremente e sem qualquer controle na sua forma semiacabada. Depois, são vendidas para pequenas e médias empresas credenciadas pelos Departamentos Estaduais de Trânsito que estampam e pintam a numeração alfanumérica. As placas semiacabadas do Mercosul serão fabricadas por empresas credenciadas pelo Denatran. Estas empresas serão responsáveis por controlar sistemicamente o uso de cada chapa. Não haverá troca de placas dos veículos já emplacados no Brasil. As novas placas do padrão Mercosul serão obrigatórias a partir de 1º de janeiro de 2016 para os veículos novos, aqueles transferidos de município e com troca de categoria.
Este vídeo do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos da Argentina mostra também as placas dos outros países do Mercosul:

  Fotos | Rodrigo Nunes/Ministério das Cidades

por 4 de dezembro de 2014 Brasil, Mercosul

Definidas as cores das novas placas o Mercosul

Cor das letras muda, mas fundo será igual para todos os países

placa-padrc3a3o-mercosul 
A partir de 2016, os países que integram o Mercosul passam a usar uma placa “universal” em seus veículos, visando facilitar identificação, melhorar aplicação de multas e reduzir furtos de veículos. Conforme o prazo se aproxima do fim, novas definições vão aparecendo. O tom predominante da placa será o mesmo, azul e branco, seguindo o modelo europeu. O padrão será adotado para Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela. Como no Brasil, o sistema de emplacamento do Mercosul terá sete caracteres, mas com uma diferença em relação ao padrão brasileiro atual: Serão quatro letras e três números. Por exemplo: AE 123 IO. Este tipo de combinação permite mais de 450 milhões de combinações. Para veículos particulares, as letras serão pretas, mudando para vermelhas em comerciais, como caminhões, ônibus e táxis. Carros oficiais, como governos, municípios, bombeiros e forças de segurança, adotarão caracteres azuis, enquanto os de embaixadas e corpos diplomáticos e consulares terão algarismos dourados. Modelos de coleção, com mais de 30 anos e certificado de originalidade, utilizarão caracteres prateados, enquanto os de carros especiais, como de testes de montadoras, serão verdes. A implantação desse sistema de identificação veicular tem prazo para começar em 2016 e a previsão é de que em 2018, todos os carros do Mercosul já utilizem as novas placas.

por 11 de novembro de 2014 Leis, Mercado, Mercosul

Esta será a placa de identificação dos veículos do Mercosul a partir de 2016

A identificação das cidades, imprescindível, deixará saudades…

PATENTE
O Mercosul apresentou o modelo definitivo de placas de identificação de automóveis, cujo projeto foi anunciado em 2010 e que desde então vem sendo discutido por um grupo ad hoc. A união aduaneira, composta por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela, unificará o sistema dos quatro países visando a segurança jurídica dos veículos que transitam no Mercosul, levando em conta a aproximação cada vez mais intensa entre os países do bloco, seguindo o exemlo da União Europeia. Ônibus e caminhões serão adaptados em 2016, enquanto os automóveis ficarão por último, em 2018. A placa definitiva terá um tamanho único para todos os países, além de fundo branco, quatro letras e três números, além de uma tarja azul com o símbolo do Mercosul e o nome do país de origem do veículo seguido pela bandeira nacional. O modelo lembra vários aspectos das placas europeias, mas seu formato se aproxima das chapas brasileiras. A combinação de números e letras disponível será de 450 milhões, abrangendo com folga tanto a frota de veículos atual nos cinco países, em torno de 110 milhões, quanto a população total, que gira em torno de 280 milhões de pessoas. O Brasil, que passou a adotar a placa cinza a partir dos anos 1990, ainda possui combinações suficientes para atender o mercado de veículos até 2030. A Argentina, entretanto, está no limite dessa conta – restam apenas dois milhões de disposições possíveis. A ordem de letras e números também permite que combinações constangedoras sejam anuladas. Entretanto, faltou o nome da cidade, algo que, embora pareça prosaico, prejudicará curiosos e situações em que é fundamental a ciência da cidade de origem do carro em questão. Mancada, Mercosul! Ainda há dois anos para corrigir o erro – por enquanto, ficaremos na torcida;

por 9 de outubro de 2014 Brasil, Mercosul

Mercosul avança na adesão de placa única de veículos

Placas serão adotadas em mais de 100 milhões de veículos até 2018

PATENTE-MERCOSUR
O grupo ad hoc responsável pelo desenvolvimento do projeto de unificação das placas do Mercosul, união aduaneira composta por Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela, deu importantes passos na consolidação da proposta da placa única para as nações do bloco. Foi a sexta reunião do grupo que, com a representação de todos os países componentes, definiu projeções do modelo definitivo, se distanciando da apresentada em 2010, na cor amarela, lembrando a placa brasileira que vigorou até os anos 1990. Segundo funcionários do Mercosul, houve um avanço significativo no desenho e na implementação da placa única ao longo do encontro realizado em Buenos Aires no Brasil. A ideia, aparentemente, é seguir o projeto europeu, que se tornou realidade após intensas negociações entre os países da UE. 799250_patente_original_argentina_reflectiva1-thumb Não está definido, entretanto, o padrão de desenho e se haverá variações entre eles (na fonte, por exemplo). O formato da simulação acima é, aparentemente, mais longo que o atual e possui uma altura maior em relação às chapas europeias. Na lateral esquerda, localiza-se a bandeira do país, seguida logo abaixo pela sigla correspondente à cidade (e não mais por extenso como atualmente) e ao estado, da esquerda para a direita, nessa ordem, além da sigla do país. 20111114_1336431
A previsão é que o novo padrão seja adotado a partir de 2016 por ônibus e caminhões. Os automóveis e demais veículos seriam contemplados em 2018. Nessa transição, os países teriam autonomia acerca das combinações alfanuméricas disponíveis dentro do padrão. A unificação seria acompanhada de um intercâmbio de dados entre os países, ou seja, um sistema universal para o registro de veículos, potencial função do QR Code que separa as letras dos números no exercício de imaginação que ilustra o topo dessa publicação. PLACA_CARRO_URUGUAI O processo depende do nível de registro dos veículos e, nesse quesito, a Argentina é que está mais à frente na América Latina. Ao mesmo tempo, a combinação de três números e três letras dos hermanos levou a uma saturação das possibilidades de combinação. Hoje, restam apenas dois milhões de combinações disponíveis. O Brasil, por sua vez, possui larga vantagem – as previsões apontam que as combinações seriam exauridas em 2030. Placas_de_Venezuela_2012_008
Para o Ministro da Justiça e Direitos Humanos da Argentina, Julio Alak, a medida é fundamental para consolidar o Mercosul como um espaço regional e sulamericano. O próximo passo será decidir um modelo que represente o símbolo ideal para o bloco. Esperamos que sigam o bom gosto e a sobriedade das placas europeias – e temos certeza, caro leitor, que não há nenhum complexo de vira-lata nessa afirmação.

por 2 de setembro de 2014 Brasil, Mercosul